CSJ - Cia de Saneamento de Jundiaí

Enquanto você navega,
m³ de esgoto estão sendo tratados.

Tratamento de esgoto: afinal, qual é o seu objetivo?

03/02/2017

O tratamento de esgoto é uma ação de saneamento básico com o objetivo de remover substâncias indesejáveis e reduzir a carga orgânica das águas residuais antes de retornar ao meio ambiente ou ser reutilizada.

As unidades de tratamento são conhecidas como ETE (Estação de Tratamento de Esgoto), onde os esgotos provenientes de residências, comércios e indústrias passam por vários tipos de processos para a redução dos poluentes.

Basicamente, o objetivo das estações de tratamento biológicas é acelerar o processo natural que qualquer curso d’água realiza com microorganismos que se alimentam da matéria orgânica do esgoto e ajudam a eliminar os poluentes. As ETEs são projetadas para conter quatrilhões de microrganismos, em concentração bem superior à de um rio, assim é possível reproduzir em algumas dezenas de metros a mesma despoluição que um rio demora dezenas ou centenas de quilômetros para fazer.

A remoção dos poluentes deve ser tal para adequar o lançamento do esgoto tratado a uma qualidade desejada, para a saúde do rio e para atender  aos padrões  de qualidade estabelecidos pelas legislações .

Os principais processos praticados pelas ETEs atualmente são:

 

Tratamento Anaeróbio

Entre os sistemas de tratamento anaeróbio, existem as lagoas anaeróbias, os tanques sépticos, os filtros anaeróbios e os reatores de alta taxa, capazes de receber maiores quantidades de carga orgânica por unidade volumétrica, como os reatores UASB (Upflow Anaerobic Sludge Blanket) ou RAFAs (Reatores Anaeróbios de Fluxo Ascendente).

Dependendo do tipo de efluente a ser tratado, há risco de emissão de odores nesses sistemas. Esse risco pode variar dependendo do tipo de efluente a ser tratado, do controle operacional do sistema e características dos equipamentos utilizados.

O processo anaeróbio converte parte da matéria orgânica em gás carbônico e metano. Este metano deve ser queimado um motogerador, gerando energia ou em um queimador de gases, já que o metano contribui 21 vezes mais que o gás carbônico para o efeito estufa.

 

Tratamento Aeróbio

Diferente do tratamento anaeróbio que utiliza bactérias que não necessitam de oxigênio, no tratamento biológico aeróbio, os micro-organismos degradam as substâncias orgânicas, que são assimiladas como "alimento" e fonte de energia, mediante processos oxidativos, isto é, com a presença de oxigênio. 

Para que o processo funcione corretamente, é necessário controlar muitos fatores como a temperatura, o pH, o Oxigêncio Dissolvido (OD), a idade do lodo, os nutrientes nitrogênio e e fósforo, Demanda Biológica de Oxigênio (DBO), relação de entre alimento e microorganismos. 

As bactérias responsáveis por este processo de eliminação da matéria orgânica são, em sua maioria, heterótrofas aeróbias e facultativas e promovem a remoção da matéria orgânica.

Os sistemas aeróbios mais comuns são lagoas aeradas, filtros biológicos e os sistemas de lodos ativados que propiciam a melhor eficiência em remoção de cargas.

 

Etapas do processo de tratamento de esgoto CSJ

O processo utilizado na Companhia Saneamento de Jundiaí é o tratamento biológico aeróbio, seguindo as etapas apresentadas abaixo:

1. Gradeamento

A primeira etapa é a passagem pelo gradeamento para retirar grandes e pequenos sólidos. É importante que os sólidos sejam retirados nessa fase para proteger as demais etapas de tratamento, as bombas e tubulações. As grades impedem a passagem de pedaços de madeira, plásticos, trapos e papéis, por exemplo.

2. Caixa de areia

A caixa de areia retém os sólidos menores, que passaram pelo gradeamento. A caixa tem velocidade baixa de fluxo, o que permite a deposição de areia e outras partículas no fundo, que é constantemente “raspado” e limpo. Os resíduos retirados são enviados para aterro sanitário licenciado pela CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), pois não é viável o seu reaproveitados.

3. Lagoas aeradas

Nas lagoas aeradas ocorre a principal e mais delicada etapa do tratamento. O ar é soprado através dos difusores e sua vazão é regulada por um sistema automatizado. O importante é manter o nível de oxigênio dissolvido em patamares que permitam a existência de bactérias e outros microrganismos aeróbios (também chamados de biota), que vão consumir e digerir a matéria orgânica poluente. É considerada a etapa mais delicada, pois variações na biota podem afetar a eficiência do tratamento do esgoto. O tempo de detenção médio nesta etapa é de três dias.

4. Lagoas de decantação

Os micro-organismos e bactérias mencionados na etapa anterior formam pequenos flocos e seguem, junto com o esgoto, para as lagoas de decantação. Aqui, o tempo de detenção é de cerca de um dia. Durante este tempo, os flocos, que são mais densos, decantam e formam o que é conhecido como lodo. O esgoto tratado, atendendo as legislações federais e estaduais, segue para o Rio Jundiaí.

5. Dragagem

As lagoas de decantação são constantemente dragadas para evitar acúmulo de lodo em excesso. Esta operação evita que o excesso de lodo nas lagoas de decantação seja “carregado” junto com ao efluente tratado.

6. Secagem e Tratamento do Lodo

O lodo dragado ainda está na forma líquida, com cerca de 3% de sólidos. Nesta etapa, é acrescentado um polieletrólito ao lodo para que os flocos fiquem maiores e mais firmes, facilitando assim a separação do líquido por meio de grandes centrífugas.

Após passar pelas centrífugas, o lodo fica no estado pastoso (cerca de 20% de sólidos).

7. Compostagem

Aqui na CSJ, o lodo gerado na ETEJ é destinado para a compostagem. O lodo é rico em matéria orgânica, possui macronutrientes (NPK) e micronutriente, portanto muito desejável do ponto de vista agronômico. Na compoostagem são acrescentados outros insumos como matéria orgânica e minerais, e eliminados os patógenos, resultando um fertilizante de uso seguro na agricultura. Essa alternativa têm um impacto significativo e importância estratégica para a solução de um problema ambiental contemporâneo: a pressão sobre os aterros sanitários, visto que a compostagem transforma as características do lodo em produtos ricos em nutrientes e sua destinação completa para isso na agricultura e paisagismo.

Saiba mais: http://saneamento.com.br/portal/tratamento-de-esgoto/fertilizante-organico